terça-feira, 17 de abril de 2007

Esperança por direito

Hoje me lembrei de mim mesma há alguns meses atrás. Andava errada há tempos; estava triste e realmente não tinha a menor idéia de como eu iria superar as dificuldades que insistiam em desviar-me de meu novo caminho. Felizmente eu tinha me apoiado numa esperança infinita dentro de mim, de que, não importava o quanto eu descesse, eu sempre poderia retomar o meu caminho para a felicidade.

Às vezes desistimos de nos transformar naquilo que queremos – deixamos de nos corrigir, nos perdoar, nos redimir – por acreditar que isto não adiantará, já que estamos muito longe de nossa rota inicial. Desanimamos-nos diante de nosso orgulho impávido que não nos deixa humildemente assumir nossos erros e arriscar trilhar um caminho de renovação e ascensão ao nosso objetivo inicial: ser e viver melhor.

Por mais que houvesse um tribunal te julgando no céu, por mais que realmente haja milhares de tribunais te julgando na Terra todos os dias, nada existe que possa te privar do direito de mudar de direção. Mesmo que inicialmente você tenha que frear a corrente de acontecimentos ou de pessoas movimentada por suas atitudes – e não vou negar o quanto é difícil e doloroso – o prazer e a alegria de saber que se está no caminho certo (ou pelo menos mais acertado que o anterior) vale a pena.

Então esta esperança me sustentou. E, com a crença particular de que um Deus misericordioso e bom nunca negaria a oportunidade de recuperação a ninguém, eu me curvei, virei e comecei a caminhar na direção que me levaria onde estou hoje: um monte de momentos e autocríticas felizes.

Todo mundo tem direito de ser feliz. Se precisar cumprir pena, cumpra. Se precisar derrubar as árvores infrutíferas que plantou até hoje para recomeçar plantando outra coisa, faça. Mas seu direito está garantido.
Vida viva para todos!

4 comentários:

Diogo Lima disse...

Eu gostaria que todos entendessem esse texto, pelo menos, como eu entendi. E gostaria muito mais que todos, incluindo a mim, tivessem entendido como se nós mesmo estivéssemos concebendo-o.

bhavaraja disse...

É verdade todos somos vitimas inconstantes de nossas loucuras e sonhos impensados. Mas um dia a ficha cai! Dai, vemos que não basta viver intensamete, mas com sabedoria. Existe uma coisa que o ser humano jamais pode perder, a confiança em si mesmo, a fé nas suas convicções e merecimentos. Pois muitas pessoas sofrem por acreditar que são merecedoras do infortunio, mas ressalto que esta visão é equivocada. Veja a natureza os animais vivem felizes, o universo tudo em perfeita harmonia, porque seria merecedor de tal castigo? Ainda que pareça triste, mas existe felicidade nos olhos lacrimais de um velho moribundo, ou no choro de uma criança.
Por isso jamais devemos é deixar de procurar a felicidade, ainda que não acreditemos realmente que é possivel, mas fiquem atentos para quando acontecer, para que não perca a oportunidade que a vida nos oferece.

Beijos para minha filósofa.
te amo de muitão!!

daianetramontini disse...

Realmente vc foi mto feliz nesse texto amiga!
Adorei!
ah... nao te disse q ia postar!

Diego Matias disse...

Ótimo texto. Bom mesmo! Volto mais vezes pra ler mais coisas.